A responsabilidade do autor

Imagem

 

“Está tudo na palavra. A lucidez traz um dom e um castigo.  Lúcido vem de Lúcifer, o arcanjo rebelde, mas é também é o luzeiro do amanhecer, a primeira estrela, a que mais brilha e a última a se apagar.  Lux e Ferous, Deus e Demônio, o prazer e a dor.    O silêncio da compreensão.”  (Pizarnic,A.) 

 

Um  artigo e publicado na Internet sobre citações bibliográficas se enganou em seus resultados, pois ao empregar dados secundários utilizou-os mal tomando a parte pelo todo.  Não conseguiu determinar com coerência ou exatidão o seu “corpus da pesquisa” que chamado de “recorte” ou o  retalho  é  da mais alta pertinência para um autor credenciar seu estudo ou sua obra.

 

É sempre um problema conhecer o que  o “corpus da sua pesquisa”,   que não é um simples corte de um todo mas, o recorte arbitrário de elementos que o pesquisador define para aplicar sobre eles uma metodologia e atingir o seu objetivo. Logo, a construção do corpus é uma escolha do pesquisador, que deve ser explanada e justificada no bom trabalho. Barthes define corpus como “uma coleção finita de dados determinada de antemão pelo analista”. Este recorte está dentro de uma população ou universo de dados: o conjunto de todos os elementos que possuem uma ou mais características em comum.

 

Após ter circunscrito o seu campo de análise o pesquisador tem três possibilidades: ou recolhe dados e faz incidir as suas análises sobre a totalidade da população coberta por esse campo; ou a limita a uma amostra representativa desta população; ou estuda apenas alguns componentes típicos, ainda que não estritamente representativas, dessa população, como um todo. A escolha é, na realidade, uma opção do investigador visto que na maior parte das vezes está  em conjunção com os objetivos da investigação.

 

O artigo, em questão, se enganou ao fazer um recorte nos dados utilizados, pois não definiu adequadamente nem o corpus nem o universo de sua pesquisa de forma adequada.  Ao fazer um recorte, que é uma fratura do universo, o pesquisador tem de avaliar e contornar todas as variáveis que incidem sobre aquele retalho para ser correto e lógico. O recorte quando feito sobre um universo de citações de artigos de determinada área, por exemplo, deve apreciar aspectos fundamentais do tema em questão. Um dos aspectos no tema citações é o fator de impacto, também chamado fator h, referente a configuração do pesquisador com suas citações.

 

Este fator de impacto das citações, ou h-index em inglês, é indispensável para quantificar a produtividade e o impacto de um cientista quando trabalhando com os seus artigos citados. Em outas palavras, o índice h o indica o número de artigos escrito pelo pesquisador que possuem uma determinada quantidade de citações. Um pesquisador com o índice pequeno, por exemplo, h = 5 , indica que ele tem 5 artigos que receberam pelo menos 5  citações;  com um com índice h = 15 ele tem 15 artigos com 15  citações; e assim por diante. O fator de impacto de um pesquisador em relação a sua produção científica modifica a conjuntura das citações e dos  estudo relacionados. O índice já é requerido pelo Currículo Lattes.

 

Um “recorte” em um estudo sobre citações, sem levar  em conta o  “fator de impacto” do pesquisador pode levar a uma sequela de interpretação; pode-se ter um artigo muito citado , mas que o pesquisador só tenha escrito este artigo em toda sua carreira. O que não o torna um pesquisador produtivo, mas um pesquisador de um único bom  artigo. Tem seu lugar  ponderado nas condições da comunicação cientifica mais não pode ser nunca indicado como o autor mais citado da sua área. Vale lembrar que tanto o número das citações como o fator de impacto está disponível,  facilmente, para o acesso de todos  através do Google Acadêmico e de outras bases credenciadas de contagem de citações.

 

O que torna um indivíduo um autor é um conjunto de condições capazes de aproximar seus discursos e estabelecer elos pertinentes com o pertencimento de sua escrita. Por isso, Foucault diz que as condições de identificação da autoria — literária, científica ou filosófica– constitui uma espécie de foco de expressão de uma “obra” com seu autor. A função de autor não se constitui de forma universal em todos os discursos. Mas, o autor é julgado o pai e proprietário de sua obra; e a ciência literária aprende, pois a respeitar o manuscrito e as intenções declaradas do autor e a sociedade postula uma relação verdadeira do autor com a sua obra. Isso deve ser respeitado em estudos e contagens sobre os autores e sua obra.

 

O autor não é aquele que se imiscui como o ordenador, disciplinador ou contador de qualidades…de uma escrita e sim aquele que a escreve do começo ao fim.  O que faz de um indivíduo um autor é o fato de, através de seu nome, ser possível demarcar os demais textos que lhes são atribuídos como sua propriedade,  por ter sido sua a escrita da coisa. A autoria do discurso escrito quando aliado ao documento revela e delimita o pertencimento do texto ao autor e ao campo do conhecimento. O autor já possui a propriedade do conteúdo que lhe foi conferida “res publica” e o discurso fala só o nome de um autor.

 

Vale lembra uma parte do artigo sobre “Definições exatas de má conduta científica” publicada na revista Fapesp de São Paulo em edição número 204 – Fevereiro de 2013 escrita por por Daniel Bueno.

 “Após avaliar centenas de publicações, um grupo de pesquisadores da Universidade de Barcelona, Espanha, e da University of Split School of Medicine, Croácia, constatou que, sem a formulação de políticas que definam explicitamente quais são os tipos de más condutas na ciência e quais procedimentos devem ser adotados, a padronização das boas práticas acadêmicas é dificultada.. …  

Dos 399 periódicos científicos analisados, 140 forneceram definições explícitas de má conduta. Falsificação foi diretamente mencionada por 113 publicações; fabricação de dados, por 104; plágio, 224; duplicação, 242; e manipulação de imagem, por 154.

 A interpretação de estatísticas possui enorme amplitude de reflexão;  os interessados em estudos de citação devem ter grande discernimento para não provocarem estudos de citações desgovernadas.

Aldo de Albuquerque Barreto

fevereiro 2014

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: