Ciência, Tecnologia e Inovação


“O crescimento brasileiro este ano, que pode ser superior a 7%, esconde uma dura realidade: a economia cada vez mais depende de produtos básicos, o que distancia o Brasil das potências tecnológicas. Apesar dos esforços recentes, o país ainda está em posição ruim no ranking mundial de patentes, e o crescimento das pesquisas ocorreu em velocidade menor do que nos países asiáticos. Especialistas dizem que o Brasil corre o risco de perder oportunidades nas novas fronteiras do conhecimento, caso não reforce o setor.”

“O diretor da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo cita números que comprovam que o Brasil não está ganhando posições no ranking mundial da inovação.Em 1994, o país pediu o registro de 60 patentes no escritório americano de propriedade intelectual. No ano passado, foram 106 pedidos. Entretanto, a produção do país, nesses dois momentos, representou apenas 0,06% do total mundial. O problema da inovação por aqui está por se resolver.” Inovação não é discurso é ação.

“A pesquisa ainda não é parte da estratégia empresarial brasileira e está longe das fronteiras do conhecimento. De acordo com a Organização Mundial de Propriedade Intelectual há 23 empresas que, em 2009 privadas que registraram mais patentes que o nosso país. Entre as cem empresas com mais patentes registradas, nenhuma é brasileira. O mesmo se repete no ranking universitário: não há nenhuma instituição nacional entre as 52 mais produtivas do planeta.” Isso considerando, também, que o registro de uma patente ou a invenção em si não representa uma inovação.

O presidente do nosso Instituto Nacional de Propriedade Intelectual reconhece que o país ainda tem uma taxa de inovação abaixo de seu potencial, mas vê mudanças: “O Brasil está no time dos novos inovadores, mas talvez seja o mais recente de todos”. “Não podemos esquecer, que há muita tecnologia por trás de produtos básicos— disse o presidente do INPI”. Mas é preciso não esquecer também que a tecnologia per si não representa inovação. [Fonte: texto “Brasil produz pouca inovação…” em Jornal O Globo de 11 Julho 2010].

Ao falar de inovação seria conveniente lembrar que esta palavra traz um sentido de ação em um processo completo que vai do surgimento de um fato ou ideia até a aceitação deste por uma comunidade em convivência. Este grupo de pessoas é que vai decidir se aceita ou rejeita uma coisa nova, que pode estar substituindo um similar já existente. Ao aceitar o novo existe uma crença compartilhada de que isto trará um acréscimo ao bem estar de todos.

Uma inovação não é sinônima de P&D, patente registrada, invenção, criatividade, ou nova tecnologia embora estas coisas sejam necessárias para que uma ação de inovação se manifeste. Quando comparadas a inovação as atividades anteriores tem uma configuração estática. Já a inovação é uma aceitação acoplada a uma decisão pela coisa nova que resulta em ações dinâmicas de implantação da nova técnica em um determinado espaço social.

Neste quadro é a informação livre que, ao final, melhora o homem e sua realidade. Se a introdução da inovação não é aceita por todos em um espaço, por qualquer razão, ela não acontece. Só em convivência política entre os habitantes de uma sociedade se delibera sobre a introdução da novidade.

O processo de inovação tecnológica relaciona, para sua efetivação, variadas competências. O fator de maior importância é a vontade de mudar, de modificar estruturas, correndo riscos e motivando pessoas para trazer uma ideia nova, mais produtiva e mais coerente para a vivência comum. É um processo político que só acontece na pluralidade dos habitantes de um ambiente social. Não é só uma ação de estratégia estratégica ou de criatividade e gestão.

O espetáculo da novidade é uma condição humana que só pode ser exercida em conjunto. Corresponde a uma atuação na pluralidade; uma ação da vida política do homem na terra. Nela o indivíduo exerce por livre arbítrio sua inteligência para introduzir conhecimento no seu espaço de convivência. Nada está mais longe do discurso que a ação de inovação.

Disponibilizar o acesso à informação para um conhecimento em rede e para acesso de todos tem sido o sonho de grande número de pessoas durante muito tempo. Desde a prisão dos conteúdos nos muros medievais dos mosteiros copistas até realidade da web, pessoas e seus mecanismos se agregaram para este fim. A intenção é introduzir o novo através da informação o que, contudo, por vezes é uma condição imponderável.

Um comentário em “Ciência, Tecnologia e Inovação

  1. Muito bom !
    “É… a inovação envolve reflexões muito mais abrangentes do que imaginamos ! Como criar então por exemplo uma cultura voltada para
    a inovação nas univerdsidades ?”

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: